Arquivo mensal: setembro 2012

Feira cultural ocupa praça Barão do Rio Branco em PG

Evento, organizado por estudantes e professores do Curso de Jornalismo da UEPG, pode ter edições periódicas

Grupo de Capoeira Gingando para Jesus foi uma das atrações do evento (Foto: André Jonsson/Lente Quente)

Exposições artísticas, mostra fotográfica, desenhos, teatro, capoeira, apresentações musicais (Taikô e canções populares), feira de economia solidária, contação de histórias e declamações poéticas. Estas foram algumas das atividades que marcaram a Iª Feira Cultura Plural, realizada no sábado, 29/09, das 10h às 12h30 da manhã, na Praça Barão do Rio Branco, no centro de Ponta Grossa.

“Foi uma ótima surpresa a adesão que a Feira registrou”, avalia a coordenadora do Projeto Cultura Plural, professora Karina Janz. A receptividade levou o grupo de estudantes e professores de Jornalismo da UEPG a considerar a possibilidade de manter edições periódicas do evento. “Vamos avaliar as condições para esta proposta, pois existem muitos artistas, gestores e atores culturais na Cidade que não têm espaço para interagir e apresentar suas produções”, explica Eduardo Godoy, que integra o grupo gestor da Feira.

Para Sérgio Gadini, representante de Literatura do Conselho Municipal de Políticas Culturais, a cidade comporta um espaço próprio para interação da produção cultural. “O evento mostrou um pouco da diversidade artística que encontramos em Ponta Grossa, além de reativar um espaço representativo da cultura local, que é a Concha Acústica da Praça Barão do Rio Branco”, avalia.

O evento marcou também o aniversário de um ano de criação do Projeto de Extensão Cultura Plural, da autoria da professora Maria Lúcia Becker, da UEPG, que busca registrar as contribuições dos grupos culturais que atuam na região dos Campos Gerais do Paraná. O projeto foi uma das ações selecionadas pela Funarte (através de edital público do Ministério da Cultura), para apoio na valorização da diversidade cultural na Região.

Anúncios

Feira em praça pública comemora aniversário do Cultura Plural

por Rodrigo Menegat

Em 2012 o Cultura Plural, página online mantida pelo curso de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa, completa um ano. O projeto busca divulgar os eventos culturais da cidade. Em comemoração ao aniversário, será realizada uma feira na Praça Barão do Rio Branco, neste sábado, dia 29, a partir das 10h.

No evento, acontecem exposições de artes visuais, música e literatura. Para Steven Souza, editor do website, a feira está diretamente ligada à proposta original do projeto. Se o site busca dar visibilidade aos movimentos artísticos ponta-grossenses, muitas vezes esquecidos pela grande mídia, a feira “é um segundo passo, é sair da simples cobertura para a a ação, é uma tentativa direta de movimentar o cenário cultural”.

O objetivo de um projeto de extensão é fazer com que a universidade preste contas à sociedade. Para Maria Lúcia Becker, professora do curso e uma das criadoras do Cultura Plural, o site faz isso ao dar espaço para manifestações artísticas muitas vezes esquecidas pela mídia tradicional. “É importante fazer esse serviço de dar e manter a visibilidade aos artistas”, diz. “Além disso, para o público em geral, o site dá uma série de informações que não teriam de outra maneira”, completa.

Desde a criação, a iniciativa teve grande adesão dos estudantes. Hoje, cerca de 34 alunos estão envolvidos com o site. Maria Lúcia  mostra-se surpresa com o crescimento do projeto. “Não esperávamos que se tornasse algo tão grande assim”.  Para a professora, participar do site é importante para o desenvolvimento profissional dos futuros jornalistas. “Ter seus conteúdos publicados para uma grande audiência muda tudo. É uma experiência muito próxima do trabalho profissional”, relata.

O evento de sábado, além de comemorar a consolidação do Cultura Plural, marca uma perspectiva de evolução. Rafael Schoenherr, um dos professores envolvidos,  acredita que “aumentar nosso alcance e ao mesmo tempo não perder contato com os grupos que já nos são próximos é o maior desafio”.  Para Gildo Antônio, do terceiro ano do curso, a feira é “uma chance de avaliar resultados, verificar se estamos cumprindo nossas propostas”. Depois de um ano de atividade, o projeto busca ampliar-se e renovar-se. A feira não é apenas uma festa de aniversário, mas também o primeiro contato com o futuro.

Vem aí…

Confira a PROGRAMAÇÃO

Candidatos a prefeito de Ponta Grossa assinam compromisso com TV Educativa

CAJOR apoia documento que pede comprometimento com a TV Educativa

Reestruturar a Televisão Educativa de Ponta Grossa (TVE PG), realizar concurso público para contratação de profissionais e garantir uma programação independente de influências eleitorais. Estes são os principais pontos do documento denominado “Compromissos com a TV Educativa de Ponta Grossa”, apresentado por representantes de diversas entidades sociais, cursos universitários de comunicação e organizações estudantis da Cidade, assinado pelos candidatos que disputam a eleição ao cargo de prefeito em Ponta Grossa.

“É um compromisso dos candidatos com um projeto de TV pública, que começa pela reestruturação técnica e profissional da emissora”, explica o professor Sérgio Gadini, que integra o grupo que elaborou a proposta apresentada aos candidatos.

“A adesão da direção do Centro Acadêmico João do Rio (CAJOR) da UEPG se justifica pela proposta de garantir que a TV seja utilizada apenas para fins culturais e educativos”, diz a estudante Maria Fernanda Teixeira, vice-presidente do CAJOR.

Após a eleição, representantes das entidades que assinam o documento devem abrir diálogo com o futuro prefeito de Ponta Grossa para cobrar a implantação das metas indicadas no compromisso com a TVE PG.

Projeto de Extensão de Jornalismo passa por mudanças

por Laís Franco

O curso de Jornalismo da UEPG preza pelo conhecimento do aluno em várias áreas de atuação  profissional. Para complementar as aulas teóricas, o aluno tem a possibilidade de fazer parte de vários projetos de extensão ou pesquisa no Departamento de Comunicação. Um desses projetos visa à prática de produção em TV. É o programa ADE, voltado para o público jovem da cidade. O projeto também conta com o apoio da Agência de Jornalismo UEPG e a TV Comunitária (TVCom).

O programa passa por mudanças estruturais, com o intuito de melhorar a produção e focar o público alvo. Um dos responsáveis, bolsista do projeto e acadêmico do terceiro ano, Thiago Terada, acredita que esta é uma possibilidade de adquirir conhecimento prático e valorizar a produção dos alunos, tendo em vista que o programa circula na TVCom da cidade.

As mudanças ocorridas na estrutura do ADE vão desde redução no número de alunos participantes, até inserção de acadêmicos do primeiro ano do curso. A periodicidade passou de uma produção quinzenal para mensal. “O objetivo de algumas alterações é dar um ar dinâmico mais jovem ao programa”, diz Terada.

Outro ponto, o qual será discutido em reunião, é o modo de gravação do programa em modalidade ao vivo. Hoje o projeto conta com 15 alunos, sendo a maioria do terceiro e primeiro ano. Em relação aos primeiros programas deste ano do ADE, agora a produção está melhor”, observa Terada.

Confira: http://www.youtube.com/adetvcom

Revista Folkcom sobe de nível

por Loise Clemente

A Revista Internacional de Folkcomunicação (RIF), única publicação com a temática folkcomunicacional no Brasil, passa a ser qualificada como B4 em Ciências Sociais Aplicadas e  B3 em Educação pelo Sistema Qualis de avaliação da CAPES, em 2012.

A qualificação dos periódicos pode ser estabelecida em A, B e C pelo Qualis, que é um sistema de avaliação mantido pela Coordenação de Aperfeiçamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Para a editora da Revista, Karina Janz, a conquista é resultado do esforço de todos os colaboradores e proporcionará maior reconhecimento pela academia. “A expectativa é que o Qualis aumente nas próximas avaliações”, observa.

A partir deste ano, a Revista, antes semestral, passa a ser editada quadrimestralmente, elaborando uma edição com dossiê temático. Além disso, mudanças no projeto gráfico pretendem deixar o periódico digital mais atrativo e este  pode ser conferido no site Revistas UEPG.

A Revista, que sai nos meses de abril, setembro e dezembro, é dedicada a disseminar a teoria de Luiz Beltrão. A publicação é editada pela Agência de Jornalismo, da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG/PR), em parceria com o Programa de Mestrado em Jornalismo da UEPG, Rede de Estudos e Pesquisa em Folkcomunicação (Rede Folkcom), Cátedra UNESCO/UMESP de Comunicação para o Desenvolvimento Regional e Centro Folkcom de Pesquisa (CFP/UEPG).