Especialização

Especialização em Mídia, Política e Atores Sociais

O uso dos novos e tradicionais meios de comunicação para fins políticos é cada vez mais visível em nossa sociedade contemporânea. É possível perceber que a exploração da imagem de muitos candidatos ao governo municipal, estadual e federal, se sustenta na mídia. É a partir dessa premissa que a Especialização em Mídia, Política e Atores Sociais vem capacitar bacharéis em Comunicação Social e outras áreas para atuarem em segmentos de representação política, Organizações não Governamentais, organizações sindicais, eleitorais e políticas.

O profissional sai com uma percepção de usos das mídias para fins políticos muito mais sensível e crítico. Se você tem interesse em fazer a especialização deve procurar Secretaria de Pós-Graduação Lato Sensu – PROPESP (prédio da Reitoria, Campus Uvaranas). Para a inscrição você deverá levar os seguintes documentos: Fotocópia de diploma ou certidão de conclusão de curso superior, fotocópia de histórico escolar, fotocópia de carteira de identidade, curriculum vitae (Lates comprovado) e o requerimento de inscrição (à disposição na Secretaria da PROPESP).

Curso

Especialização presencial “Mídia, Política e Atores Sociais”, nos termos da resolução nº 01/2007 do CNE e resolução CEPE nº 060/2005 em sua terceira edição para os anos de 2011/12.

Unidade responsável

Departamento de Comunicação da Universidade Estadual de Ponta Grossa.

Coordenação

A Coordenação do Curso de Especialização em “Mídia, Política e Atores Sociais” será da professora Hebe Maria Gonçalves de Oliveira.
Contato: hebegoncalves@hotmail.com.br
Departamento de Comunicação: (42) 3220-3389

Carga horária:

O curso de Especialização em “Mídia, Política e Atores Sociais” terá carga horária total de 375 horas (horas cheias de sessenta minutos), sendo 360 horas de disciplinas e 15 horas para o trabalho de conclusão de curso – TCC.

Período de realização:

Início de inscrições: (14/02/2011)
Término (Defesa de TCC em prazo regular): (26/06/2012)

Clientela-alvo:

Bacharéis em Comunicação Social e áreas afins, além de profissionais liberais e pessoas que atuam em movimentos sociais ou nos diversos segmentos da arena de representação política, tais como representantes públicos, assessores políticos e parlamentares, assessores sindicais, militantes de ONGs, de movimentos populares e professores.

Vagas o fertadas:

O número mínimo de vagas a serem o fertadas será de 25 e o máximo de 30 por turma.

Local de realização do curso

As atividades do curso de especialização em “ Mídia, Política e Atores Sociais ” serão desenvolvidas prioritariamente nas salas de aula do Bloco B do Campus Central da UEPG, podendo ser usadas outras dependências do mesmo Campus.

Justificativa

Com o advento da utilização dos meios de comunicação de massa no cotidiano político e social, o modo de se fazer e de se compreender política passou a sofrer profundas transformações. Se antes a luta política estava claramente demarcada; com a introdução e o desenvolvimento dos meios de comunicação de massa, os modelos tradicionais de persuasão, sensibilização e convencimento, foram profundamente alterados, complexificando as disputas e remodelando os padrões de contato. A exploração da imagem de governos e governantes a partir da televisão, por exemplo, reconfigurou valores de verdade e credibilidade. A internet ampliou o acesso, levando o espaço das disputas a setores marginalizados. Na era da mídia, a praça, a rua, não são mais os espaços onde as disputas ocorrem. As funções dos tradicionais cabos eleitorais, que organizavam reuniões e visitas de casa em casa, estão se transformando e se especializando. Agora a disputa está sendo orientada por modernos “cabos-eleitorais”. São assessores de imprensa, relações públicas e publicitários que orientam e organizam as mediações dos candidatos com os eleitores. A preocupação com a formação da opinião pública é central.

A luta pelo ingresso/manutenção no campo político tornou-se mais uma disputa pela ocupação da mídia do que pela capacidade de propor soluções aos problemas sociais. A dimensão pública propiciada pelos meios de comunicação de massa passa a ser representativa do acesso ao campo político. Vale ressaltar que as transformações políticas advindas da introdução da mídia não ficam limitadas às disputas entre agentes pelo maior espaço junto aos meios de comunicação. Elas também se desenvolvem entre os vários campos sociais. Neste caso, os grupos sociais passam a ter no campo midiático um espaço privilegiado para agendar e pautar as suas questões. Vários movimentos sociais organizados passaram a “orientar”, a partir de suas ações, como a mídia deveria se comportar. Se considerarmos que historicamente os controladores dos meios de comunicação são francamente favoráveis a manutenção do status quo, torna-se necessário compreender as táticas que estes grupos estão adotando, pois a mídia passa a ser o espaço de disputas pela condição de sensibilizar (ou não) a sociedade.

Objetivos

Capacitar profissionais para atuarem nas áreas de comunicação em movimentos sociais, organizações sindicais, campanhas eleitorais, organizações políticas e estatais.

MAIS INFORMAÇÕES: VISITE O SITE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO

%d blogueiros gostam disto: